Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Lutar, criar, Reciclagem Popular!

Ferramentas Pessoais

This is SunRain Plone Theme

Navegação

Você está aqui: Página Inicial / Notícias / Notícias nacionais / Novo estudo: sistemas Resíduo Zero poderiam criar mais de 36.000 Empregos para Moradores de São Paulo

Novo estudo: sistemas Resíduo Zero poderiam criar mais de 36.000 Empregos para Moradores de São Paulo

por admin publicado 16/02/2021 15h20, última modificação 16/02/2021 15h21
Resíduo Zero é considerada como uma estratégia-chave para construir economias fortes e sustentáveis Post-COVID-19

São Paulo, Brasil - Um novo estudo de GAIA descobriu que as cidades que investem em programas e políticas de lixo zero criam empregos verdes de qualidade, além dos benefícios conhecidos de redução da poluição e melhoria da saúde da comunidade. Este relatório surge no momento em que governos municipais em todo o mundo estão tomando decisões críticas sobre em quais programas investir para aumentar a resiliência climática e reconstruir as economias locais que foram prejudicadas pela crise do COVID-19. O estudo projeta que, se São Paulo recuperasse 80% do material reciclável e orgânico de seu fluxo de resíduos, a cidade poderia criar mais de 36.700 novos empregos.

 

O relatório pode ser encontrado em zerowasteworld.org/es/empleosbasuracero

 

Em uma meta-análise global do potencial de criação de empregos de diferentes setores de gestão de resíduos, a pesquisa deixa claro que o que é bom para o meio ambiente também é bom para a economia. As estratégias de resíduo zero têm a pontuação mais alta em benefícios ambientais e criam mais empregos do que qualquer abordagem de gerenciamento de resíduos:

 

  • A reutilização cria mais de 200 vezes mais empregos do que aterros e incineradores.
  • A reciclagem cria cerca de 70 vezes mais empregos do que aterros e incineradores.

  • A remanufatura cria quase 30 vezes mais empregos do que aterros e incineradores.

Resíduo zero é uma abordagem abrangente de gestão de resíduos que prioriza a redução de lixo e a recuperação de materiais, com o objetivo final de criar uma economia circular, reduzindo a eliminação de resíduos a zero. Em contraste, os sistemas baseados em descarte dependem da incineração (“resíduos em energia”) e aterros para lidar com a maior parte do fluxo de resíduos, resultando em custos econômicos e consequências ambientais mais elevadas.

Os sistemas resíduo zero não só criam mais empregos, mas também melhores empregos. Estudos mostram que empregos com resíduo zero vão além do trabalho manual básico, fornecem aumento de salários, oferecem mais empregos permanentes e uma melhoria da qualidade de vida.

 As organizações de Catadores de Materiais Recicláveis trabalham com a coleta seletiva solidária, na qual realizam campanhas de sensibilização junto à comunidade que separa os materiais e doa voluntariamente aos catadores. Este trabalho educa as pessoas e difunde o valor social dos resíduos que garante trabalho e renda para os profissionais da reciclagem, assim como a proteção do meio ambiente.

O autor do relatório, o Dr. Neil Tangri, diretor de Ciência e Política de GAIA afirma: “Com o mundo ainda sofrendo com a pandemia, a criação de empregos é uma das principais prioridades. Resíduo Zero oferece uma estratégia para criar bons empregos e reduzir a poluição sem quebrar o banco. É uma vitória tripla para a economia, o meio ambiente e a cidade. ”

Nós catadores desenvolvemos em nosso trabalho inovações tecnológicas de baixo custo e tecnologias de coleta e tratamento de materiais recicláveis, além de métodos de trabalho autogestionário, dos quais os próprios catadores administram suas organizações com base na economia solidária. Ao longo dos anos esse tipo de trabalho tem mostrado grande potencial de desenvolvimento econômico local e economia de recursos públicos na gestão dos resíduos, assistência social e outras áreas ”, declarou Alex Cardoso, da coordenação nacional do MNCR.


Navegação