Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Lutar, criar, Reciclagem Popular!

Ferramentas Pessoais

This is SunRain Plone Theme

Navegação

Você está aqui: Página Inicial / Notícias / Blog Sudeste / Rio de Janeiro aprova PL sobre pagamento de catadores por serviços ambientais

Rio de Janeiro aprova PL sobre pagamento de catadores por serviços ambientais

por admin publicado 16/12/2015 18h35, última modificação 02/03/2016 14h50
Colaboradores: Assessoria de Comunicação Deputado Estadual Carlos Minc
Projeto foi vetado e criaria incentivo ao trabalho de catadores e o aumento da coleta seletiva no Rio de Janeiro

ATUALIZAÇÃO: projeto foi vetado integralmente pelo Governado Luiz Pezão

A Alerj aprovou no dia 10 de dezembro o projeto de lei que cria o Programa Estadual de Pagamentos por Serviços Ambientais de Reciclagem. O PL 2867/2014, de autoria do Deputado Carlos Minc, que seguirá para sanção do governador Luiz Pezão, vai incentivar a formação de cooperativas de catadores e o aumento do serviço de coleta de resíduos de reciclagem no Rio de Janeiro.

Um programa semelhante, o Pagamento por Serviços Ambientais no Reflorestamento, por exemplo, contribuiu para que milhares de agricultores ou proprietários reconstituíssem suas matas ciliares.

Agora, com a aprovação da lei que cria o Programa Estadual de Pagamento por Serviços Ambientais de Reciclagem, as cooperativas de catadores vão receber pagamento pela quantidade de resíduos de materiais recicláveis que conseguirem recolher. O pagamento, por parte do governo, será calculado anualmente de acordo com a tonelagem de recicláveis coletados, tendo como base valores mínimos estabelecidos pelo Governo do Estado, de acordo com o tipo de resíduos coletados.

O pagamento será feito apenas para cooperativas de catadores – não para empresas de coleta de resíduos. "O projeto de lei aprovado é um incentivo à criação e à formalização de cooperativas de catadores e ao fortalecimento da cadeia da reciclagem", afirma Minc.

"Atualmente, na região Metropolitana do Rio, os índices de reciclagem dos municípios são, em média, de 1,5% , o que é sofrível e descumpre a Lei Nacional de Resíduos Sólidos (LNRS)", diz.

Leia a lei na integra

registrado em: Sudeste

Navegação