Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Lutar, criar, Reciclagem Popular!
Ferramentas Pessoais
Acessar
This is SunRain Plone Theme
Você está aqui: Página Inicial / Notícias / Blog Sudeste / Do lixão para a Copa. Só a luta muda a vida

Do lixão para a Copa. Só a luta muda a vida

por mncr — publicado 10/06/2014 15h30, última modificação 20/06/2014 13h20
Catadores cariocas comemoram vitórias alcançadas depois de batalha por direitos.

Após muito luta, só hoje os catadores do lixão de Gericinó, na cidade do Rio de Janeiro, podem respirar aliviados. Foram momentos de intensa luta e muitas vezes desespero com o eminente do fechamento do lixão, única fonte de renda para cerca de 108 famílias de catadores de materiais recicláveis. “Houve períodos que os caminhões da coleta não chegavam mais no lixão e corríamos o risco de passar fome”, conta o catador Custódio da Silva Chaves, representante do MNCR.

Hoje porém, os catadores tiveram seu direito ao trabalho reconhecido e vão trabalhar na coleta de materiais recicláveis dentro do Estádio do Maracanã durante a copa do mundo recebendo de maneira justa por esse serviço.

Após o fechamento definitivo do lixão todos os catadores receberam indenização de R$ 13.000,00 em virtude dos anos que deram vida útil ao lixão. A negociação entre catadores e a Prefeitura da Cidade do Rio também garantiu que todos possam retornar para a catação se assim quiserem, para isso esta sendo construído um galpão que terá infraestrutura necessária para geração de renda dos 108 cooperados, fruto de um investimento do BNDES que incluir equipamentos, caminhões e capacitação.

“O Galpão precisa garantir R$ 1.200,00 mensais para cada catador com a comercialização dos materiais, caso não se atinja esse patamar a Prefeitura do Rio irá aportar um salário mínimo até a situação se normalizar. Ainda há um índice muito grande de rejeito(lixo) que vem nos caminhões da coleta seletiva municipal” comenta Custódio sobre o Termo de Ajuste de Conduta (TAC) assinado pela Prefeitura junto ao Ministério Público do Trabalho. “Se a Prefeitura não cumprir o acordo, será as multas pegas por ela que garantirão o pagamento dos catadores”, frisou.

Ainda há outros lixões em processo de fechamento do Estado do Rio de Janeiro e a intenção e que o caso de Gericinó seja modelo para outros fechamentos de lixão com inclusão social dos catadores. “Apresentamos na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro um projeto lei para que a comercialização do metano recuperado nos lixões seja revertido para o pagamento dos catadores de materiais recicláveis”, completou Custódio.

Cineasta americano fez documentário sobre os catadores de Gericinó:


Navegação