Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Lutar, criar, Reciclagem Popular!
Ferramentas Pessoais
Acessar
This is SunRain Plone Theme
Você está aqui: Página Inicial / Notícias / Blog Sul / Rio Pardo sedia Seminário Fortalecendo a Reciclagem Popular

Rio Pardo sedia Seminário Fortalecendo a Reciclagem Popular

por Assessoria de Comunicação do MNCR — publicado 05/10/2015 11h25, última modificação 28/10/2015 10h56
Evento culminou em manifestação em grande gerador

O Seminário Fortalecendo a Reciclagem Popular – Experiências de Coleta Seletiva Solidária ocorreu no dia 17 de Setembro no Centro Regional de Cultura Rio Pardo e reuniu mais de 150 participantes entre catadores, gestores públicos e representantes da sociedade civil. Ele foi organizado pelo Movimento Nacional dos Catadores em parceria com a Fundação Luterana de Diaconia (FLD). Durante a cerimônia de abertura Cibele Kuss expôs o compromisso da FLD com o protagonismo das catadoras e dos catadores para a construção de experiências social e ambientalmente justas. A catadora Nildete salientou os esforços empenhados na cidade para colocar a coleta seletiva solidária em prática. O prefeito de Rio Pardo, Fernando Schwanke, anunciou que ainda este mês pretende encaminhar um projeto à Câmara para solicitar a autorização da doação da área onde trabalham os catadores à Cooperativa de Catadores de Materiais Recicláveis de Rio Pardo (Cocamarp). Também assinou o termo de compromisso para efetivar a coleta seletiva solidária no município com a contratação da cooperativa para o trabalho.

Após a abertura, os participantes dividiram-se em grupos. Enquanto os dirigentes municipais e de entidades permaneceram no auditório para conhecerem experiências de coleta seletiva solidária em municípios gaúchos que cumprem a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), catadores participaram de atividade de formação política organizada pelo coletivo de formação do MNCR.

  

 

Experiências de Coleta Seletiva Solidária
Entre as apresentações sobre experiências de coleta seletiva solidária foram destacados os casos de Santa Cruz do Sul, Uruguaiana e Encruzilhada do Sul. O trabalho exitoso de Santa Cruz do Sul, nacionalmente premiado pelo Comitê Interministerial para Inclusão Social e Econômica dos Catadores de Materiais Reutilizáveis (CIISC) durante a Expocatador 2014, foi exposto por representantes da Cooperativa de Catadores e Recicladores de Santa Cruz do Sul (Coomcat) e da Secretaria do Meio Ambiente. O município implantou a coleta seletiva solidária com o apoio da Prefeitura, em dezembro de 2012. 
Os catadores inicialmente realizaram o trabalho de separação ao ar livre e hoje possuem um galpão coberto para a atividade. Um contrato em vigor entre a Prefeitura e a Coomcat contempla os bairros mais centrais com a coleta seletiva, com o atendimento de 25% da população e previsão de expansão para outras áreas. A cooperativa realiza campanha de conscientização porta a porta e mantém ouvidoria sobre o serviço de coleta seletiva. Além disso, há coleta em grandes geradores de material. A cidade também centraliza a rede de comercialização das cooperativas de catadores da região, com o recebimento do material de Encruzilhada do Sul, Rio Pardo, Vera Cruz e Cachoeira.

Uruguaiana é um caso de sucesso por representar uma alternativa aos catadores que estavam em situação de lixão. Na região da Fronteira, 80 famílias de catadores que viviam da venda de material reciclado recolhido no lixão de Uruguaiana, existente a céu aberto, formalizaram a Associação de Catadores de Lixo Amigos da Natureza (ACLAN) em 2009. Por meio dela realizaram intenso processo de mobilização até alcançar a contratação para prestação do serviço de coleta seletiva em 2014. A representante do MNCR, Maria Tugira Cardoso, relatou o processo de luta do lixão à coleta seletiva solidária. Esse envolveu inclusive mobilização internacional contra incineração. Depois de chamar a atenção do estado, do país e do mundo para a cidade, os gestores públicos se convenceram de que a queima do material reciclável representava um risco à saúde pública, ao meio ambiente e ao trabalho dos catadores. Hoje a cidade ainda possui desafios na gestão dos resíduos sólidos, mas aos poucos está colocando as metas traçadas pelo plano municipal de resíduos sólidos em prática.

No município de Encruzilhada do Sul, o trabalho de coleta dos resíduos é mantido pela Cooperativa Mista de Coleta e Reciclagem de Encruzilhada do Sul (Comcreal) desde 2001. O Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos no município foi aprovado pela Câmara de Vereadores e a grande reivindicação dos 22 catadores é ampliar e intensificar a coleta por meio da assinatura do contrato de prestação de serviço com a Prefeitura. O plano foi formatado com ampla participação da comunidade em audiências públicas.


No final dos debates os participantes aprovaram uma carta compromisso (leia aqui) para que os municípios gaúchos cumpram a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), com a implantação da coleta seletiva solidária, tornando os catadores protagonistas do trabalho de limpeza urbana. Os organizadores do encontro também apresentaram um abaixo-assinado para obter a adesão dos participantes à petição exigindo ações climáticas. O documento explica que em dezembro deste ano acontece uma reunião em Paris para discutir um acordo para um futuro sustentável, por isso reivindica o estabelecimento de medidas fortes e justas, em nível nacional e internacional, que irão manter o aquecimento global abaixo de 2ºC de temperatura. Ainda solicita o aumento de financiamento público para que as populações mais pobres possam se adaptar à mudança climática e se desenvolver de uma forma sustentável.

Manifestação em grande gerador

No período da tarde os catadores saíram em marcha rumo a um grande gerador de materiais recicláveis. Empunhando bandeiras, concentraram-se em frente ao supermercado IMECC. Ali permaneceram chamando a atenção da população para o princípio da PNRS que reconhece o resíduo reciclável como um bem econômico e de valor social, gerador de Trabalho e Renda. A partir dele solicitam à rede de supermercados que encaminhe seus resíduos para a cooperativa ou associação mais próxima, garantindo a destinação correta dos materiais recicláveis. A comissão de negociação do MNCR foi recebida pela gerência e protocolou ofício em que justifica a solicitação.

Leia o Termo de Compromisso assinado pela Prefeitura de Rio Pardo

registrado em: ,

Navegação