Brasil ainda recebe o Lixo da Europa

mncr
Publicado Última modificação 10/08/2009 18:33

Uma das denuncias feitas pelo MNCR desde 2001, ainda
acontece em nosso país, desta vez, não estamos falando das desigualdades sociais,
das lutas pelos nossos direitos ou meramente nossas lutas corporativas dos
catadores, mas sim de uma luta de todos os cidadãos latino americanos.

O Brasil ainda continua recebendo lixo do continente
europeu, desta vez, ilegalmente. O lixo veio da Inglaterra, através de um grupo
mafioso, que além de enviar lixo para o Brasil, também envia lixo para outras
nações, conforme relato de um delegado de policia, feito ao Jornal Correio do
Povo (CP).

Ainda conforme o CP, o Porto de Rio Grande, que fica no
estado do Rio Grande do Sul, abriga 740 toneladas de lixo, vinda do Porto de Félixtowe,
da Inglaterra, o lixo esta acondicionado em 40 contêineres e foi importado por
uma empresa da cidade de Bento Gonçalves (RS). Na nota fiscal, apreendida pela
policia, o lixo estava descrito como “polímeros de etileno para a reciclagem”.

O lixo consiste em banheiros químicos, preservativos,
seringas, cartelas de remédios, pilhas, baterias entre outros, juntamente com
lixo orgânico. A Alfândega da Receita Federal do Brasil no Porto de Rio Grande
esta investigando “estas importações”, Na cidade de Caxias do Sul, tem mais 8
toneladas de lixo, basicamente de plástico vindos para a “reciclagem” sendo que
os produtos, não conferem com os descritos na nota. A empresa importadora
confirma isso e avalia devolve tudo ou se separa o que pode ser reciclável
colocando o resto no lixo.

Em Rio
Grande, o Chefe da Alfândega no Porto, Marco Antonio Medeiros
afirmou que a descrição da carga sugeria que se tratava de desperdício de
empresa petroquímica, que viria para reciclagem. Junto com o este lixo, tem
tambores de brinquedos estragados e sujos, além de bilhetes com pedidos que
fossem entregues às crianças pobres do Brasil e com a orientação “favor lavar
antes de usar”. As 740 toneladas de lixo começaram a chegar desde fevereiro e
acredita-se que vieram em oito embarcações diferentes. Para encontrar o lixo, a
Receita Federal recebeu “denuncia anônima” de irregularidades em uma carga, o
que levou os fiscais a descobrirem o resto da carga. Algumas empresas já estão
identificadas por estas importações, e acredita-se que deve ter outras empresas
no exterior assim como mais alguns brasileiros envolvidos. A idéia é devolver
este lixo para a Europa e forçar as autoridades Européias a adotarem
providências.

Outros portos estão adotando algumas medidas para prevenir
estas indesejadas cargas, como o de Santos, no estado de São Paulo.

Para nós catadores, isso repercute de maneira pior ainda do
que para outros trabalhadores, pois com a entrada de lixo, além de ser
prejudicial ao nosso País trazendo consigo a poluição do nosso meio ambiente se
ele não for reciclável e se ele for reciclável, significa que as empresas
recicladoras terão a seu dispor, materiais recicláveis em grandes quantidades, “o
que fará o mercado abafar, e venha a baixar ainda mais seus preços prejudicando
e muito as organizações de catadores”, revela o catador Alex Cardoso, do
Movimento Nacional dos Catadores no Brasil e continua “Com os preços baixos,
vários materiais recicláveis deixam de ser coletados pelos catadores, indo
parar em lixões ou em aterros sanitários, o que aumenta ainda mais a poluição e
gasto de recursos públicos”.

Os catadores, assim como
outros setores da cadeia produtiva da reciclagem, sempre são prejudicados
economicamente, mas ecologicamente, toda a sociedade. Já estão bem avançados os
debates em torno do mantimento e de não agressão ao meio ambiente, várias ações
já foram tomadas, isso que esta acontecendo vem a contramão do que
ambientalistas e catadores do Brasil inteiro discutem e a pergunta fica. Até
quando isso vai acontecer?

No dia 03, a Policia da Inglaterra
anunciou que prende três pessoas acusadas de cometer estes crimes.

Estes episódios enfureceram
até mesmo o presidente Lula que acabou criticando vários paises por fazer este
tipo de importação e o ministro de meio ambiente, que conclui “o Brasil não será
a lixeira da Europa”!

O Brasil é um dos paises que mais recicla, graças ao esforço
de milhares de marginalizados, mendigos e catadores, (em vários cenários, não
conseguimos distingui-los, pois parecem o mesmo agente) que mais parece um
exercito em defesa do meio ambiente e na busca digna de sua sustentação e de
sua família, mas somos os mais esquecidos na hora de reconhecimento e da
valorização, muitas vezes tendo os nossos direitos indo por água abaixo, na
ponta do cassetete de qualquer policial militar corrupto ou guarda da segurança
pública. Para piorar a situação, infelizmente vimos que, quanto mais
reciclamos, mais vemos exclusão, pois conforme os dados do MNCR, a base dos
catadores é formada em maioria de trabalhadores desempregados de outros
setores, que quando excluídos do mercado de trabalho, vêem na catação a única
saída para seguir vivendo.

Queremos é que sejam cumpridas as leis ambientais, que
proíbe veemente a entrada de lixo em nosso País, pois ele não é a lixeira da Europa, e
queremos mais, não queremos que os outros paises mandem “materiais já
separados” para o Brasil, pois isso faz com que os catadores ganhem menos ainda
com a comercialização dos materiais. Todos saem perdendo com isso, pois a
sujeira fica aqui, fazendo com que todos venham a perder e quem ganha, é
somente as grandes empresas recicladoras, fazendo com que aumente ainda mais a
concentração de riquezas das indústrias e aumente ainda mais a marginalização
dos catadores.

m[email protected]