Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Lutar, criar, Reciclagem Popular!

Ferramentas Pessoais

This is SunRain Plone Theme

Navegação

Você está aqui: Página Inicial / Notícias / Notícias nacionais / Lula dialoga com Catadores para construção Plano de Governo

Lula dialoga com Catadores para construção Plano de Governo

por Por Samuel Ferreira — publicado 07/10/2021 16h35, última modificação 11/10/2021 14h04
Lula recebeu carta com apoio e pautas da categoria, como a posição contrária à incineração de resíduos no País, temas que prometeu defender
“Vocês não vão precisar conversar com alguém que vai fazer o Programa de Governo, vocês vão participar”, diz Lula aos catadores de materiais recicláveis

Na tarde da última quinta-feira (30), militantes do Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis (MNCR) foram recebidos pelo ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva no auditório da sede Nacional do PT, em São Paulo.
O grupo de aproximadamente 27 pessoas - formado por catadores membros da Comissão Nacional e alguns técnicos – entregou à Lula uma carta de apoio e pautas da categoria a serem discutidas em seu provável Governo, como a operação da Logística Reversa por catadores e a posição contrária à incineração de resíduos, entre outras.
À mesa, ladeado por catadoras e pelo catador Alexandro Cardoso – mais conhecido como Alex -, Lula recebeu a carta, que foi lida por Cardoso, o qual aproveitou o momento para oferecer ao petista um exemplar do livro intitulado ‘Do Lixo a Bixo’, de sua autoria.
No conteúdo da carta os catadores ainda pedem que no possível Governo de Lula haja a criação do ‘Programa Nacional Pró-Catador - Pela Reciclagem Popular, com recursos para a valorização da reciclagem, inclusão dos catadores de rua e de lixões, ações efetivas de geração de trabalho e renda, combate à fome e acesso à moradia, além de estrutura tecnológica e crédito popular para associações e cooperativas.
O documento também sugere a estruturação de políticas de desenvolvimento da Economia Circular e da Economia Solidária como meios de promover a valorização de todos os resíduos gerados, bem como a criação de novos postos de trabalho, a capacitação dos catadores com a criação da Escola Nacional de Formação de Catadores, autogerida pelos catadores, além da retomada do Comitê Interministerial para Inclusão Social e Econômica dos Catadores de Materiais Reutilizáveis e Recicláveis (CIISC).
À mesa, Maria Mônica, uma das coordenadoras de base do MNCR, enalteceu a luta de Lula pela garantia dos direitos dos catadores e afirmou que a categoria está com ele para o que der e vier. “Estamos juntos Lula, a gente vai em nome de Jesus te eleger para ser o nosso presidente de novo e estar com o poder da caneta”, salientou.
Sua colega, Jeane dos Santos, representante do MNCR na região do Nordeste, não escondeu a emoção ao contar que aprendeu a ler e escrever pela política de inclusão de Lula. “Hoje, se eu pego esse celular e me comunico com o Brasil através do Whatsapp, sabendo ler e escrever o que está aqui, é graças à sua política, à política de Governo do presidente Lula”, disse.
“Hoje, ser profissional, catadora de materiais recicláveis, lá na Classificação Brasileira de Ocupações (CBO), é uma maravilha. Isso tudo foi graças ao seu Governo”, completou.
Articulador do MNCR no Rio Grande do Sul, Alex Cardoso também não escondeu sua visão política e social ao ex-presidente. “Escrevi esse livro contando essa história rica de Educação, de Economia Solidária e de Solidariedade, de que é possível que a gente possa avançar a partir da Educação, mas que também precisa ter um Estado que apoie seu povo, que valorize sua nação... As pessoas é que fazem riquezas, as pessoas é que geram conhecimento, as pessoas é que elevam as grandiosidades e as glórias de uma nação e nós, como catadores e catadoras te chamamos de presidente porque entendemos nas suas palavras, nas suas políticas que a transformação acontece e que o Brasil, para ser melhor, precisa de Lula”, destacou.

  

 
Dignidade, solidariedade e carinho
Em sua fala, Lula lembrou com aparente emoção de um fato ocorrido quando de sua eleição para presidente, onde um catador de lixão expressara esperança em seu Governo. “Ele disse que esperava que aquele fosse o último pedaço de melancia que ele iria comer do lixão porque eu tinha sido eleito presidente. Aquilo tocou profundamente na minha alma”, salientou, enxugando as lágrimas.
“Eu não consigo entender como é que a gente não conseguiu acabar e ter feito da coleta de lixo uma coisa humanizada, uma coisa mais civilizada, uma coisa que pudesse dar dignidade às pessoas”. O que a gente deseja, o que a gente sonha, o que a gente quer? A gente quer o mínimo necessário para que a gente possa viver e criar nossa família com muito respeito, muita dignidade. Essa é uma das razões pelas quais eu tenho vontade de voltar a presidir este País”, revelou.
O anfitrião ainda agradeceu aos catadores pela solidariedade prestada durante sua prisão política: “Outra coisa é a questão da solidariedade que vocês tiveram comigo quando eu fui preso... Vocês não imaginam o benefício da solidariedade, em que você percebe que alguém está olhando para você em momentos em que possivelmente fosse mais fácil não olhar. Então eu quero, do fundo do coração dizer, meus queridos companheiros, que não tem como pagar a solidariedade e o carinho que vocês dedicaram a mim”, expressou.


Construção conjunta do Programa de Governo
Dentre as principais preocupações da categoria se destacam a questão da Logística Reversa no País e a discussão sobre a incineração de resíduos, pontos que foi exposto a Lula pelo catador e coordenador do MNCR em São Paulo, Roberto Rocha.
“Tem essa questão da política de resíduos, que a gente gostaria de aprofundar com quem for trabalhar ao lado do senhor no Programa de Governo. O encerramento de lixões tem uma questão de fundo que se chama incineração, e a gente tem que tomar um certo cuidado, porque existe um bojo de investimento desses governos, que está dentro de um programa chamado Lixão Zero, que é exatamente para trazer empresas para o País e acabar com o lixo no processo de queima. Isso atrapalha todos nós catadores”, afirmou.
“Outro ponto muito importante também é um legado que o senhor deixou para a gente, por isso estamos aqui hoje, que se chama Logística Reversa. Hoje nós temos uma entidade, a ANCAT, que é uma das principais entidades no País que opera a Logística Reversa. Entidade operada por nós, catadores. É outro ponto também importante no Plano de Governo do senhor: que é a gente garantir que a Logística Reversa seja feita, de fato, com a operação dos catadores”, concluiu.
“Vocês não vão precisar conversar com alguém que vai fazer o Programa de Governo, vocês vão participar”, disse. Vocês sabem que eu sou contra os lixões, que eu sou contra a incineração, sou favorável a transformar todo esse processo do lixo deste País numa forma decente e dar emprego e cidadania para as pessoas. Vamos conversar e construir o melhor para este País. Não tenho dúvidas que a gente vai fazer as coisas corretas e isso vai fazer parte do discurso, do Programa, da propaganda e do cumprimento das nossas coisas, porque vocês já sabem que é possível ser melhor do que a gente está sendo, é possível a gente viver melhor. Fiquem tranquilos com isso”, prometeu Lula.


Homenagem à memória de Diogo de Sant’Ana
Durante o evento, membros do MNCR e parceiros levantaram pequenos cartazes com os dizeres ‘DIOGO DE SANT’ANA, PRESENTE SEMPRE’, em homenagem à memória do advogado e professor que foi um grande incentivador, apoiador e defensor das causas dos catadores no campo jurídico e na área social. Falecido no final de 2020 aos 41 anos de idade, Diogo de Sant’Ana trabalhou nos governos de Lula e Dilma, respectivamente, onde atuou no Gabinete da Presidência da República, na Secretaria Geral do Governo e na Casa Civil.


Navegação