Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Lutar, criar, Reciclagem Popular!
Ferramentas Pessoais
Acessar
This is SunRain Plone Theme
Você está aqui: Página Inicial / Notícias / Blog Sul / EM DEFESA: DO TRABALHO E GERAÇÃO DE EMPREGOS

EM DEFESA: DO TRABALHO E GERAÇÃO DE EMPREGOS

por mncr — última modificação 18/03/2011 12h42
DA PRESERVAÇÃO DA NATUREZA E DO BEM PÚBLICO

Somos catadores e catadoras organizados no Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis – MNCR. Iniciamos um amplo processo de mobilização em todo o País pela contratação das organizações dos catadores (que é garantida pela Lei 11.445) onde diz que podemos ser contratados sem licitação e receber pelo serviço prestado.
Aqui em Santa Cruz não é diferente: estamos firme na luta para alterar o atual modelo de gestão do lixo.

ATUAL MODELO DE GESTÃO DO LIXO:
O serviço de limpeza pública (coleta, transporte, triagem e destinação) está nas mãos da mesma empresa desde 1998. Esta empresa só este ano vai receber 3,9 milhões da Prefeitura através de recursos públicos (dinheiro que é nosso).
Segundo dados oficiais são gerados 101 T/dia de lixo, destes, 42,59% são materiais recicláveis, portanto por dia são gerados 42,59 ton e 1276 ton/mês.
Ainda não existe coleta seletiva em nosso município (mesmo a empresa recebendo mais de R$ 159.694,82 por mês para prestar este serviço).
O material é encaminhado para a Usina Municipal de Reciclagem, que é pública e está tercerizada para a mesma empresa (que recebe R$23.694,82 por mês para pagar os salários e manter a usina). Na usina apenas 9% do material é reciclado, o resto vai para um aterro em Minas do Leão poluindo ainda mais a nossa natureza.

Podem ser gerados muitos empregos com o que é desperdiçado.
Segundo o proprietário da empresa em 2005 existiam 40 pessoas trabalhando na usina, hoje segundo a empresa são 20, mesmo tendo aumentado a quantidade de material, pois a população cresceu.
Este atual modelo é insustentável, pois não gera trabalho para muitas pessoas, tem profundos impactos ambientais, direciona o dinheiro público só para uma empresa privada, e perde-se oportunidades de aquecer a economia local, pois com todo este montante que sai do município poderia estar sendo empregado para gerar empregos para mais pessoas daqui, que conseqüentemente fariam o dinheiro circular no nosso município.

DEFENDEMOS QUE A USINA SEJA GERIDA PELOS TRABALHADORES.
Queremos deixar claro que não queremos tirar o emprego de ninguém, pelo contrário, queremos manter os que ainda estão na usina e aumentar os empregos, isto é perfeitamente viável com estes números que citamos acima. A usina na mão dos trabalhadores também é uma forma de dar garantia de trabalho, pois não será apenas o patrão que vai decidir as coisas e sim todos que estiverem participando. Terá uma outra lógica quando os trabalhadores assumirem, será a defesa da dignidade das pessoas e da geração de trabalho e renda em primeiro lugar ao invés do lucro. Todos continuarão trabalhando da mesma forma (ou até melhor), ganhando os mesmos direitos (ou até mais), a única diferença é que será gerida pela associação dos trabalhadores, totalmente permitida por lei.

E A EFICIÊNCIA DO TRABALHO?
Temos um grupo de apoiadores técnicos que tem plenas capacidades de apoiar nosso trabalho. portanto, temos capacidade! E com certeza a transparência será maior do que agora.

E A EMPRESA?
Não queremos de forma nenhuma excluir a atual empresa. O que queremos é que se passe uma parte do serviço para os trabalhadores da reciclagem, a Coleta Seletiva e a gestão da Usina de Reciclagem.
Portanto, a empresa continuará com seu trabalho de coleta  do lixo orgânico, transporte e destinação final. Não Serpa mais justo?

QUEM TEM O PODER DE DECIDIR?

A Prefeitura Municipal pode fazer um termo de ajuste no contrato (permitido pelo edital 40/2007), é só querer. Queremos que se tome uma atitude que defenda o Bem Público, a geração de trabalho e renda, a preservação da natureza e a economia dos recursos públicos. Quanto mais bem aplicado o recurso público, mais sobrará para outras áreas como saúde, educação e moradia.


QUEM IRÁ DECIDIR?
Somente com a pressão da sociedade conseguiremos vencer esta batalha. Esta vitória será de todos e todas que acreditam e defendem uma vida digna para todos os trabalhadores, a justiça social e a preservação da natureza.

PORTANTO EXIGIMOS DA ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL:

- Que se inclua no orçamento 2010 recursos para a implementação do Projeto de Coleta Seletiva Solidária, feita pelos catadores.

- Contratação da associação dos catadores para gerir a Usina e fazer a Coleta Seletiva.

COMO JÁ VIMOS E AFIRMAMOS, RECURSOS TEM, É SÓ REPARTIR COM MAIS JUSTIÇA SOCIAL O DINHEIRO PÚBLICO.

QUE SE TIRE UMA PARTE DOS RECURSOS DA EMPRESA E REPASSE AOS CATADORES ORGANIZADOS.

Comitê Malvina Tavares / MNCR

registrado em:

Navegação