Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Lutar, criar, Reciclagem Popular!
Ferramentas Pessoais
Acessar
This is SunRain Plone Theme
Você está aqui: Página Inicial / Artigos / Luta e solidariedade a todos os trabalhadores no RS

Luta e solidariedade a todos os trabalhadores no RS

por mncr — última modificação 24/03/2008 17h22
Ato conjunto de diversos movimentos sociais por direitos sociais
Luta e solidariedade a todos os trabalhadores no RS

Ato do MNCR em Gravataí

Neste dia 7 de novembro, nós os catadores juntamente com outras organizações populares e sindicais fizemos ações direta em todo o estado do Rio Grande do Sul. O primeiro na rodovia RS 118. Pois vimos que nesta forma de ação é que faz com que a gente seja visto, seja lembrado, seja escutado, mas infelizmente poucas vezes atendido, mas o sentimento de luta nos faz apostar na auto-organização e solidariedade para vencer os inimigos.

Na madrugada do dia 7, nós do MNCR em conjunto com o MTD e RP realizamos a colagem de cartazes em defesa do trabalho e da direito de ir e vir de nós trabalhadores que vivemos no centro de Porto Alegre, e a partir das 5 hs da manhã nos dirigimos a cidade de Gravataí onde aconteceu uma das ações, que começou as 6 horas da manhã com o fechamento da ponte da Rodovia RS 118, onde permanecemos por mais de duas horas. Nesta ação, como nas outras, estávamos munidos de carro de som, panfletos, bandeiras de nossas organizações, faixas e cartazes demonstrando nossa luta. Enquanto estávamos dizendo no carro de som os motivos de nossa revolta, os companheiros estavam entregando panfletos a todos os motoristas que estavam parados, sendo que a maioria deles, depois que entendeu o motivo, como trabalhador que é, nos apoiou. Ficamos na ponte por duas horas, até que chegou a Policia Militar e começaram as negociações para liberar-nos a ponte, ficamos acertados que iríamos para o centro de Gravataí onde iríamos fazer uma pressão na Prefeitura, mas neste momento em que estávamos indo para a Prefeitura, mais de 2 mil trabalhadores estavam começando a se concentrar para fazer uma grande marcha em Porto Alegre, o Coronel Mendes, que comanda toda a Brigada (Policia Militar de Porto Alegre) no Estado, foi pessoalmente em nossa marcha de helicóptero e mandou que acabacem com nossa manifestação, como nós somos trabalhador organizado e estávamos fazendo uma luta de paz, resolvemos acabar e se juntar as outras ações que começavam em todo os Estado.

ato gravataiEm Porto Alegre a marcha, foi em direção a Secretaria da Fazenda, depois na Prefeitura e acabando num grande ato em frente ao Palácio do Governo do Estado. No mesmo momento, na região norte do Estado também começava a marcha dos trabalhadores. Na cidade de Venâncio Aires nós trabalhadores ocupamos a praça de pedágio e liberamos as cancelas por mais de uma hora, fazendo com que os trabalhadores passassem pelo pedágio sem ter que pagar, a ação acabou na cidade de Santa Cruz com um ato público e com distribuição de panfletos.

Já em Pelotas, os trabalhadores de transporte público paralisaram a partir das 5 horas da manhã, acabando a paralisação com um ato público no centro da cidade em conjunto com outros trabalhadores.

No Estado todo houve manifestações com a participação de catadores, professores, desempregados, sem terra, trabalhadores informais, metalúrgicos, estudantes, servidores municipais e estaduais, motoristas, trabalhadores da segurança, entre muitos outros.

 

Mas quais os motivos que nos levaria a fazer isso?

Neste dia 7 de novembro, saímos as ruas para marcar nossa indignação e protesto contra a traição de classe. Quando vocês lerem esta matéria, saiba que foi escrita por um catador que é igual a você, catador e trabalhador. E é por isso que vem com ódio de classe e vontade de ajudar a organizar a nossa classe de forma auto-organizada. Vivemos em um momento de desinformação e incerteza. A aparente calmaria política esconde ataques aos direitos históricos dos trabalhadores brasileiros. Dois governos, o do ex-sindicalista Lula e o da economista Yeda Crusius, desmontam o patrimônio público e fragilizam ainda mais o dia-a-dia dos que suam sangue para construir o país.

 

ato gravatai2Lula quer restringir o direito de greve dos servidores públicos federais, entregar todo o recurso do imposto sindical para os dirigentes das centrais sindicais, acabar com a previdência social e entregar a universidade para a iniciativa privada. Este governo de pelegos e banqueiros tem a cara de pau de dizer que os trabalhadores dão prejuízo. Mentira! Nosso dinheiro escoa pelo esgoto dos impostos e vai para o pagamento da divida publica e externa. Enquanto isso os Bancos lucram no país 84 milhões de reais por dia! É nosso suor que banca estes agiotas, os mesmos que garantem os lucros recordes dos banqueiros, das empresas de telecomunicações e do setor de mineração e petróleo. Sem contar que vários projetos dos catadores ainda continuam engavetados.

Aqui no Rio Grande do Sul, Yeda e sua turma querem vender nossa terra em liquidação. Antes de tomar posse estes tucanos e sua turma quiseram aprovar o ?tarifaço?. Agora voltam à carga, entusiasmados com a meta de venda da metade das ações do Banrisul (banco do estado do RS). CEEE, CORSAN, IPE, e UERGS são os próximos alvos. Isto sem falar nas fundações, Emater-RS, TVE-RS, Fepagro, FEE, que podem passar para outro regime jurídico. O governo local quer terminar com o extermínio começado pelo ex-governador Antonio Britto. Para pagar a dívida interna, financiar a industria de eucalipto e manter o financiamento para a oligarquia e as grandes industrias, vale tudo!! Atrasam os salários dos servidores, retiram verbas das escolas publicas, não convocam os servidores aprovados em concurso e nem cobram imposto dos que podem pagar, e para nós...é só repressão e agressão.

A Brigada Militar (Policia Militar) sob o comando do coronel Paulo Roberto Mendes, quer brincar de tropa de elite em solo gaúcho. Pau no MST e repressão aos camelôs guardadores de carros e catadores. Além de alguns atentados de morte à moradores de rua e indígenas. Tudo em nome da ordem e a serviço dos corruptos de sempre.

Nós catadores em conjunto com outros trabalhadores, neste dia gritamos basta. Pois o dinheiro que sangra nosso bolso vai para os compromisso de credores internacionais, ou seja, nossos filhos morrem na fila do posto de saúde por não ter médico nem remédio. Esses recursos são fruto do nosso trabalho. E ao invés de gerar trabalho, salário, saúde e educação, sai dos cofres do Estado, passa por Brasília e acaba enchendo ainda mais os bolsos dos gringos.

Chega de hipocrisia! Lula e Yeda atacam aos trabalhadores. O acórdão ta ai, e a aprovação da CPMF é a prova disso. Contra a turma de politiqueiros somente a auto-organização com a ação direta é a solução. Vamos seguir nas ruas lutando e organizando para a garantia de nossos direitos e avanços nas conquistas.

Contra o Pacotaço da Yeda  e das reformas do governo Lula! Em defesa dos serviços públicos, aos direitos dos trabalhadores e por reforma agrária!

 

MNCR - RS, Movimentos Sindicais e Populares


Navegação