Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Lutar, criar, Reciclagem Popular!
Ferramentas Pessoais
Acessar
This is SunRain Plone Theme
Você está aqui: Página Inicial / Artigos / Catadoras participam de oficina de gênero

Catadoras participam de oficina de gênero

por Antônio Coquito, jornalista e assessor de comunicação do Insea — publicado 24/05/2013 15h25, última modificação 24/05/2013 15h22
Colaboradores: Sonia Dias
“Nós, catadoras, precisamos assumir que cada uma de nós é o movimento”

Madalena Duarte (Coordenadora da Cooperativa dos Catadores de Materiais Recicláveis de Itaúna- Coopert e Membro do Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis – MNCR)

“É muito importante promover ações que visem o empoderamento das mulheres e sua visibilidade pública”. Marlise Matos ( Professora do Núcleo de Estudos sobre a Mulher da Universidade Federal de Minas Gerais -NEPEM/UFMG)

 

AS ATIVIDADES

Numa parceria do Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis (MNCR), Instituto Nenuca de Desenvolvimento Sustentável (Insea), Associação Nacional de Carroceiros e Catadores de Materiais Recicláveis (Ancat), Organização Não Governamental Wiego – Mulheres no Emprego Informal: Globalizando e Organizando e Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) – através do Núcleo de Estudos sobre a Mulher (NEPEM) foi realizada, no último dia 13 de maio, a primeira Oficina do Projeto de Formação em Gênero.

A atividade inicial, que reuniu mulheres catadoras da Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), objetiva identificar os desafios vividos por elas nos contextos do lar, do trabalho e em sua atuação como lideranças nas redes e movimentos.  Além da capital, as oficinas acontecerão nas cidades polos de Conselheiro Lafaiete (Estrada Real), Itaúna (Leste) e João Monlevade (Vale do Rio Doce).

MULHERES E HOMENS PELA INCLUSÃO SOCIAL

Sonia Dias, pesquisadora da WIEGO e professora visitante da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e uma das coordenadoras do Projeto, explica que discutir gênero “significa contribuir com a emancipação de todos e não excluir ninguém”, afirma a professora sobre o ponto central do módulo.

A primeira oficina foi realizada com catadoras de cooperativas da RMBH  e discutiu temas como autonomia e participação protagonista das catadoras. Sonia explica que temas como masculinidade e feminilidade e os obstáculos para a ação ativa e efetiva das mulheres foi debatido com a presença ativa das participantes. A professora comenta que “a qualidade das discussões, o comprometimento e a paixão na luta por uma sociedade mais justa deu a tônica da oficina.”

 

EMPODERAMENTO E PARTICIPAÇÃO

A intenção dos encontros é contribuir com o empoderamento econômico e político das mulheres. Neste sentido, as Oficinas, através das atividades de capacitação e qualificação, vão mapear necessidades práticas e estratégicas das catadoras. Para isto, Sônia esclarece que as ações estão dividas em 04 (quatro) etapas.  “A primeira fase, que aconteceu no ano de 2012, foi de aprendizagem e construção participativa do projeto com as catadoras. A segunda fase, que está acontecendo agora, compreende a realização de oficinas nas diversas regiões do estado, tendo a oficina da RMBH sido a primeira a acontecer. A terceira fase, compreende a elaboração de um kit com ferramentas e estratégias para trabalhar a questão de gênero tendo como público alvo  cooperativas, Organizações não Governamentais (ONGs) , universidades e governos locais. A quarta e fase final é discutir as estratégias com a Rede Latino-americana de Recicladores (RedLacre)  e o MNCR para elaboração de um plano de formação em gênero no Brasil e América Latina”, ilustra.

A temática de gênero fortalece a ação das catadoras nas associações, cooperativas e comunidades. A discussão conectada com a participação da mulher propicia um olhar e intervenção de parceria entre homens e mulheres nas atividades cotidianas. Sônia comenta que “incorporar a dimensão de gênero tende a contribuir no aprofundamento da democracia interna das organizações e no estabelecimento de relações mais igualitárias.” Para ela, o assunto tem tudo haver com as bandeiras de luta do movimento social de catadores e catadoras. Este definido por Sônia como “o rompimento da invisibilidade da categoria”.

INFORMAÇÕES OFICINAS DE GÊNERO

Informações sobre o projeto podem ser obtidas pelos e-mails das pessoas de referência: sonia.dias@wiego.org (Sonia Dias) ou madalenaduarte47@gmail.com (Madalena Duarte)

registrado em: ,

Navegação