Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Lutar, criar, Reciclagem Popular!
Ferramentas Pessoais
Acessar
This is SunRain Plone Theme
Você está aqui: Página Inicial / Artigos / Belo Horizonte contra a incineração de lixo

Belo Horizonte contra a incineração de lixo

por mncr — publicado 20/02/2014 14h54, última modificação 20/02/2014 14h54
DIGAMOS NÃO AOS PLs QUE FAVORECEM À INCINERAÇÃO!

Está em curso na Câmara de Vereadores de Belo Horizonte (CMBH), os projetos de lei (P.Ls.) . 043 e 053/2013 , que permitem a utilização de tecnologias de queima de resíduos na forma de plasma. A proposta dos P.Ls. é uma ameça à saúde pública e uma afronta à contribuição histórica e efetiva das associações e cooperativas de catadores de materiais recicláveis com o planeta.  |

O Fórum Municipal Lixo e Cidadania de Belo Horizonte (FMLC-BH) e as entidades parceiras estimulam e sugerem o envio, ao seu parlamentar de contato, do documento CARTA ABERTA AOS VEREADORES E VEREADORAS DE BELO HORIZONTE em apoio à causa dos catadores de materiais recicláveis e contra à incineração em Belo Horizonte !

CLIQUE AQUI
E VEJA A CARTA

Os endereços e contatos dos vereadores de Belo Horizonte estão no link: http://www.cmbh.mg.gov.br/vereadores

 

PORQUE DO NÃO À QUEIMA DE RESÍDUOS

A prática da incineração, que vem sendo abolida no mundo, representa riscos à qualidade de vida, à saúde publica, geração de emprego e renda e ao meio ambiente. A queima do lixo é uma incoerência com os conceitos mais elevados do desenvolvimento sustentável, configurando-se numa ameaça ao planeta com a produção de cinzas tóxicas que geram gases de efeito estufa.

Há estudos no sentido de que, com a tecnologia da incineração, mesmo os mais avançados mecanismos de controle da poluição, como é o caso de filtros de ar, não são capazes de impedir o vazamento de partículas ultrafinas, cuja emissão traz riscos graves para a saúde das pessoas. Pesquisadores e estudiosos também advertem que a incineração, ao gerar gases tóxicos, provoca despesas publicas imensas comprometidas por períodos de até 40 (quarenta) anos. E acrescenta ser a queima de resíduos “uma alternativa de gestão que menos gera postos de trabalho; ao contrário da coleta seletiva – importante trabalho desenvolvido pelos catadores de materiais recicláveis” de cuidado ambiental na priorização da reciclagem dos resíduos.

A opção equivocada pela queima de resíduos significa agressão ao planeta e perdas socioeconômicas para o Brasil. A tecnologia da coleta seletiva solidária gera emprego e renda para 600 (seiscentos) mil catadores.  Dados do Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (IPEA) apontam que  não devemos ir na contramão, devemos ir além, ou seja, temos potencial para gerar cerca de 8 bilhões ao ano na efetivação de ações da reciclagem de resíduos.  O Compromisso Empresarial para Reciclagem (Cempre), organização do setores comerciais e industrial, sinaliza a necessidade de fortalecimento da reciclagem no contexto dos resíduos. “Já são 98% (noventa e oito por cento) das latinhas de alumínio recicladas. Mas, no total, somente 3% (três por cento) do lixo produzido no país é reciclado.”

Todos estão convidados a somar nesta ação em favor da coleta seletiva solidária com a inclusão e valorização dos catadores em Belo Horizonte!

A INICIATIVA

A iniciativa é uma ação conjunta das entidades: Fórum Municipal Lixo e Cidadania (FMLC) de Belo Horizonte, Fórum Mineiro de Direitos Humanos (FMDH), Fórum Político Interreligioso de Belo Horizonte,  Movimento Nacional de Direitos Humanos – Minas Gerais (MNDH-MG) Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis (MNCR),  Movimento Nacional da População em Situação de Rua (MNPR), Movimento Nossa BH (MNBH),   Movimento das Associações de Moradores de Belo Horizonte- MAMBH, Central Cooperativa Rede Solidária de Trabalhadores de Materiais Recicláveis de Minas Gerais (REDE SOL), Instituto Nenuca de Desenvolvimento Sustentável (INSEA),  Instituto de Direitos Humanos (IDH), da Pastoral Nacional do Povo da Rua PNPR) da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB – Leste II), Pastoral do Povo da Rua da Arquidiocese de Belo Horizonte (PPR-BH), do Centro Nacional de Defesa dos Direitos Humanos da População em Situação de  Rua e   dos Catadores de Materiais Recicláveis – CNDDH, Observatório da Reciclagem Solidária (O.R.S.), do Comitê dos Atingidos pela Copa de Belo Horizonte – COPAC,  Associação de Luta pela Moradia, Programa Polos de Cidadania da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG),  Conselho Regional de Serviço Social de Minas Gerais (CRESS-MG) e  Rádio Comunitária Elo FM.

Junte-se  a nós!

A mobilização contra os Projetos de Lei (P.L.s) Municipais é um convite a todos que defendem o desenvolvimento sustentável com cidadania e  inclusão social.

Matéria produzida por Antônio Coquito, jornalista e assessor de comunicação do INSEA.

 

Informações:

Marislene Nogueira -fone: (31) 3295.7270 (Instituto Nenuca de Desenvolvimento Sustentável – INSEA)

Karina Vieira – fone: (31) 3250.6291 – do Centro Nacional de Defesa dos Direitos Humanos da População em Situação de  Rua e   dos Catadores de Materiais Recicláveis – CNDDH.

Neli Medeiros – fone: (31) 3222.6256 – Coordenadora da Central Cooperativa Rede Solidária de Trabalhadores de Materiais Recicláveis de Minas Gerais (Rede Sol).

registrado em: ,

Navegação